Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


seguraatreta:inicio

Segura que É treta !

Treta é o modelo de desenvolvimento de projetos do Calango, Tretas a todo momento são criadas, desenvolvidas, resolvidas e deixadas de lado. Quanto mais temos um padrão em comum sobre determinado assunto, um problema ou algo a ser resolvido, isso um indicativo de uma Treta, e essa Treta se torna um projeto, cada membro pode escolher o seu nível de envolvimento e de dedicação na resolução de uma Treta.

Depois de longos debates filosóficos, criamos um modelo visual de identificação de status das Tretas e algumas premissas descritas abaixo:

Quem dá a ideia é quem faz

Quando um membro propõem uma demanda, uma proposta, uma Treta, ele é eternamente responsável por ela, pois foi ele quem enxergou e gerou a demanda. Cada um só pode arranjar demanda para si mesmo. (Principio do Eu Mesmo)

Treta é a resolução do Universo

Toda treta tem um fundo didático e ao se envolver em uma Treta você está se envolvendo em um processo de aprendizagem multitarefa e interdisciplinar;

Não sei como fazer, mas estou aqui

Todo membro é livre para propor as mais absurdas Tretas, mesmo não tendo o conhecimento necessário para resolução da mesma, basta estar disponível para que o conhecimento coletivo do grupo chegue até ele ou até essa Treta;

Pega que a Treta é sua

Durante o desenvolvimento de uma Treta, ela pode ser encaminhada para diferentes pessoas de acordo com o seu nível de conhecimento sobre o assunto, um membro pode propor uma Treta para outro membro que tenha o conhecimento necessário para a resolução da mesma;

Me dá que a Treta é minha

Durante o processo de resolução das Tretas, qualquer membro pode pedir para si a resolução de uma Treta não resolvida e concluí-la, ou adiantar uma parte que esteja pendente;

Xeque Mate, essa Treta não cabe mais

Assim como no Xadrez, os problemas e as possibilidades podem chegar a um fim, e uma Treta pode ser finalizada a qualquer momento, seja por conclusão, incapacidade ou desinteresse, mas é importante identificar em que passo de andamento de projeto essa Treta está e o que falta para sua conslusão.

Se você leu tudo e não entendeu nada, veja o video === Tretas de HackerSpace === :

https://www.youtube.com/watch?v=iH7wgfKORcY

Aqui temos a publicação do inicia da definição das Tretas: / Do Blog do Ocarneiro /

http://carneiro.blog.br/um/2016-01-16-Tretas-de-hackerspace.html

No Calango Hacker Clube, nosso hackerspace em Brasília, as coisas acontecem assim: toda vez que surge uma necessidade, surge também uma solução. Mágica? Não. Autoorganização.

Nós temos um lema no Calango: quem inicia a treta busca os meios para resolvê-la. O termo “treta” gera controvérsias. No sentido comum, treta é confusão, um mal entendido, problema. No Calango, treta é demanda. Somos todos voluntários e não existe uma divisão de tarefas clara. Tudo o que o espaço precisa tem que ser providenciado por alguém. Quem é esse “alguém?”. A pessoa que enxergou a necessidade. Se você gera demanda para outra pessoa é treta (no mau sentido)! Cada um só pode arranjar demanda para si mesmo. Vou dar exemplos para ficar mais claro.

Paulo Henrique queria tomar refrigerante no Calango, mas não queria ter que atravessar a rua todo dia para comprar na padaria, que às vezes estava fechada no horário de nossas atividades. Então ele assumiu uma treta: “o Calango precisa de uma geladeira”. Quem correu atrás disso? O próprio Paulo. Ele encontrou um anúncio de uma geladeira usada, organizou a vaquinha para comprá-la, juntou o dinheiro em apenas uma tarde, via Telegram, e no dia seguinte foi buscá-la com um reboque emprestado do cunhado.

Faísca adorou a aquisição da “gelosa”, como chamamos carinhosamente a treta do Paulo. Só que o Faísca gosta de cerveja. O que ele fez? Organizou um sistema de abastecimento e ressarcimento dos itens da gelosa. Precisou apenas de um pote de sorvete e uma folha de papel. Ele comprou alguns itens, escreveu os preços deles e, agora, quando alguém quer beber algo no Calango, basta pegar o item da gelosa e deixar valor correspondente no pote de sorvete.

André queria fazer um hackathon no hackerspace, mas a internet 4g que tínhamos lá, na nossa sala no subsolo, não dava conta do recado. Então, André trocou sua contribuição financeira mensal pelo pagamento da fatura de uma conexão internet banda larga que ele mesmo mandou instalar. Histórias assim acontecem todos os dias no Calango. Eu poderia escrever sobre como conseguimos o espaço, as cadeiras, as bancadas, as TV's, mas acho que vocês já devem ter uma ideia de como tudo aconteceu a esta altura. Num hackerspace, hackeia-se de tudo. Inclusive as formas de organização.

seguraatreta/inicio.txt · Última modificação: 2017/07/19 09:46 por webert