Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


temas:cyberpunks:ciclo_01

Ciclo #01:

ANTIGUIDADE CYBERPUNK - brincando com a periodização das épocas históricas da humanidade, nomeei assim os primórdios da chamada “cultura livre” (reunião das subculturas que formam uma agenda política em torno da livre reprodução de arquivos digitais), onde escritores de Ficção Científica nos alertavam à necessidade de se estabelecer novas ideias críticas em torno do elo político emergido da cultura tecnológica e digital (cultura que é ao mesmo tempo a estrutura de impérios, distopias opressoras, e a ferramenta para a auto-organização das multidões, utopias libertárias).

ao querer pensar o que é o cyberpunk, devemos ter diante de nós a situação de que são três seus polos geradores, e que eles se entrelaçam entre si:

[1] a literatura: originada, em fins dos anos 1970, pelos escritores willian gibson, rudy rucker, lewis shiner, john shirley, bruce sterling e pat cadigan, os quais retomam as experimentações linguísticas e temáticas na, até então estagnada, ficção científica;

[2] as teorias sociais: as chamadas teorias da pós-modernidade, que basicamente significa a perda da historicidade (fim de uma tradição de mudança e ruptura) e o fim da “grande narrativa” (o apagamento da fronteira entre alta cultura e da cultura de massa e a prática da apropriação e da citação de obras do passado);

[3] e a cultura pop: iconografia estética da cultura jovem, em especial, o movimento punk e a própria cultura do computador (atitude hacker da experiência empírica da juventude contestadora ligada à tecnologia).

também, se quisermos decompor o termo cyberpunk, teremos de um lado o cyber, termo grego que remete às noções de “controlar/governar/pilotar”, como por exemplo encontramos no termo “kubernetes” (cibernética), ou seja a “arte de governar”, e de outro lado, temos o termo punk, que podemos pensá-lo tanto como movimento musical (punk-rock/protesto) como ideológico (contracultura/sem controle/underground).

✔ no mês de setembro de 2015 finalizamos o primeiro ciclo, a antiguidade cyberpunk, este no qual conhecemos e lemos alguns textos clássicos do gênero cyberpunk da década de 1980 - basicamente os textos: [1] “the gernsback continuum” (1981), [2] “burning chrome” (1982) e [3] “neuromancer” (1984) de willian gibson; e [4] “pirata de dados” (1989) de bruce sterling.

✔ foram gerados por mim, léo pimentel quatro textos em forma de notas, um para cada texto acima anunciado.

  1. **o futuro poderia ser pior! poderia ser perfeito!** - notas sobre “o continuum de gernsback” (1981) de william gibson
  2. **nossos corpos devem estar em algum lugar** - notas sobre “o burning chrome” (1982) de william gibson
  3. **numa incorpórea exaltação do espaço** - notas sobre “neuromance” (1984) de william gibson
  4. **trabalhadores do mundo: relaxem!** - notas sobre “islands in the net” (1989) de bruce sterling

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#10] décimo encontro (fim do ciclo #01) - 14|set|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

décimo encontro: antiguidade cyberpunk - fim do período clássico cyberpunk (1981 - 1989)

descrição: com o surgimento da literatura cyberpunk uma importante teoria do negativo das relações sociais e da tecnologia foi traga ao mundo. isto porque era preciso trazer à tona o elo político perdido da cultura em processo de digitalização. era preciso anunciar o nasciente desengajamento da materialidade e a natureza preguiçosa da não-cooperatividade. a literatura cyberpunk lança as bases de um universo negativo que revela o neo-feudalismo que estaria por vir: onde os novos senhores feudais seriam os donos das infraestruturas de TICs, da largura de banda, dos protocolos, dos softwares, do monopólio da mídia, dos espaços virtuais, para com isso, explorar o conhecimento via propriedade intelectual, patentes, direitos autorais e marcas registradas, e garantir toda a atenção das pessoas (consumidoras em geral).

questões: a tecnologia abriu mesmo novos espaços para serem povoados? a tecnologia é uma extensão da natureza de nossa inteligência? o cyberespaço abre mesmo uma fenda libertária para a dissolução da divisão social de classe, de gênero, de etnia, etc? a internet é a estrutura de um império ou é uma ferramenta para a auto-organização das multidões? qual a ideologia sa cultura livre? há algum tipo de simetria entre o puro tecnológico e o social? o código aberto é um modelo político universal? há danos materiais ocultados em cada bit de informação livre? quem está com a mão em nossa grana quando, em frente de nossos computadores, produzimos livremente e de graça? todo o entusiasmo digital é suficiente para se colocar como um novo realismo?

horizonte de respostas: [1] “the gernsback continuum” (1981), [2] “burning chrome” (1982) e [3] “neuromancer” (1984) de willian gibson; e [4] “pirata de dados” (1989) de bruce sterling

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#09] nono encontro - 31|ago|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

nono encontro: antiguidade cyberpunk (“Neuromancer” (1984) de Willian Gibson - Segunda Parte)

descrição: Eis o romance onde tudo começou, aquele que trouxe ao mundo a geração cyberpunk! Foi o primeiro romance a ganhar a santíssima trindade em premiação da ficção científica: o Hugo Award, o Nebula Award e o Philip K. Dick Award. Com Neuromancer, William Gibson apresentou ao mundo o ciberespaço - e assim, a ficção científica nunca foi a mesma…

texto: http://lelivros.site/book/download-neuromancer-william-gibson-em-epub-mobi-e-pdf/ [o original em inglês: http://project.cyberpunk.ru/lib/neuromancer/].

resenha: https://tecnocibernetico.wordpress.com/2011/03/31/resenha-livro-neuromancer-classico-da-literatura-cyberpunk/

site oficial: http://www.williamgibsonbooks.com/books/neuromancer.asp

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#08] oitavo encontro - 24|ago|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

oitavo encontro: antiguidade cyberpunk (“Neuromancer” (1984) de Willian Gibson - Primeira Pate)

descrição: Eis o romance onde tudo começou, aquele que trouxe ao mundo a geração cyberpunk! Foi o primeiro romance a ganhar a santíssima trindade em premiação da ficção científica: o Hugo Award, o Nebula Award e o Philip K. Dick Award. Com Neuromancer, William Gibson apresentou ao mundo o ciberespaço - e assim, a ficção científica nunca foi a mesma…

texto: http://lelivros.site/book/download-neuromancer-william-gibson-em-epub-mobi-e-pdf/ [o original em inglês: http://project.cyberpunk.ru/lib/neuromancer/].

resenha: https://tecnocibernetico.wordpress.com/2011/03/31/resenha-livro-neuromancer-classico-da-literatura-cyberpunk/

site oficial: http://www.williamgibsonbooks.com/books/neuromancer.asp

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#07] sétimo encontro - 17|ago|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

sétimo encontro: antiguidade cyberpunk (“Declaração de Independência do Ciberespaço (1996)” por John Perry Barlow)

descrição: Em 08 de fevereiro de 1996, John Perry Barlow (um dos três fundadores da Electronic Frontier Foundation, nos Estados Unidos) escreveu a Declaração de Independência do Ciberespaço , um documento direcionado aos governos reunidos em torno do Fórum Econômico Mundial. A Declaração foi escrita em resposta à Lei das Telecomunicações promovida pelo os EUA. Naquele mesmo ano, como temos visto nos últimos tempos, foi uma lei de reforma imposta basicamente por “analfabetos” tecnológicos que querem nos dizer o que ler, por que e como consumir. Os ideais de Barlow ainda são válidos porque os governos, os lobbistas de propriedade intelectual e outros grupos de poder, permanecem tiranizando a vontade e a cultura da internet. Esta rede de comunicações, de redes sociais, onde qualquer pessoa pode iniciar uma revolução, pois não existe um centro e o sentido de humanidade é mais extenso: o ciberespaço.

texto: http://opartidopirata.blogspot.com.br/2011/06/uma-declaracao-de-independencia-do.html [o original em inglês: https://projects.eff.org/~barlow/Declaration-Final.html ].

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#06] sexto encontro - 10|ago|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

sexto encontro: antiguidade cyberpunk (“pirata de dados” de bruce sterling)

descrição sem spoiler: bruce sterling nos oferece a visão de um mundo no início do século 21, aparentemente pacífico, com desterritorialização de empresas e trabalho em rede. o protagonista, levado por eventos além de seu controle, encontra-se em lugares que estão fora da rede, a partir de um “datahaven”. na história, o fictício livro “The Lawrence Doctrine and Postindustrial Insurgency”, em homenagem a Lawrence da Arábia, é proibido porque trata diretamente de métodos e táticas para se realizar uma rebelião de insurgentes.

texto: https://www.4shared.com/office/Ryr8d8Ee/Piratas_de_Dados_-_Bruce_Sterl.html

memória:

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#05] quinto encontro - 27|jul|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

quinto encontro: antiguidade cyberpunk (“pirata de dados” de bruce sterling)

descrição sem spoiler: bruce sterling nos oferece a visão de um mundo no início do século 21, aparentemente pacífico, com desterritorialização de empresas e trabalho em rede. o protagonista, levado por eventos além de seu controle, encontra-se em lugares que estão fora da rede, a partir de um “datahaven”. na história, o fictício livro “The Lawrence Doctrine and Postindustrial Insurgency”, em homenagem a Lawrence da Arábia, é proibido porque trata diretamente de métodos e táticas para se realizar uma rebelião de insurgentes.

texto: https://www.4shared.com/office/Ryr8d8Ee/Piratas_de_Dados_-_Bruce_Sterl.html

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#04] quarto encontro: 20|jul|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

quarto encontro: antiguidade cyberpunk (“burning chrome” de william gibson)

descrição sem spoiler: é um conto, escrito por William Gibson e publicado pela primeira vez na Omni (revista estadounidense de ficção científica) em julho de 1982. a palavra “ ciberespaço ”, cunhada por Gibson, foi usada pela primeira vez nesta história, em referência à “ consensual alucinação das massas” pelas redes de computadores.

“Burning Chrome” tells the story of two free-lance hackers - Automatic Jack, the narrator and a hardware specialist; and Bobby Quine, a software expert. Bobby becomes infatuated with a girl named Rikki and wants to become wealthy in order to impress her. Jack has acquired a powerful Russian “icebreaker” program that can penetrate corporate security systems. Bobby suggests that they use it to break into the system of a notorious and vicious criminal known as Chrome, who handles money transfers for organized crime, and Jack reluctantly agrees to help. The break-in is successful, and Jack and Bobby empty Chrome's bank accounts, but they discover afterward that Rikki had been working in a brothel with ties to Chrome. She uses her earnings to buy a set of cybernetic eye implants for herself and go to Hollywood; the news leaves both men devastated, as they have grown to love her, and Jack never sees her again.“ (wikipedia)

tarefa: ler e traduzir o texto para o português trocando ideias sobre visões de futuro vividas hoje.

material: texto: http://flawedart.net/courses/articles/Gibson_Burning_Chrome.pdf ou http://cla.calpoly.edu/~lcall/354/gibson.html

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#03] terceio encontro: 13|jul|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

terceiro encontro: antiguidade cyberpunk (“burning chrome” de william gibson)

descrição sem spoiler: é um conto, escrito por William Gibson e publicado pela primeira vez na Omni (revista estadounidense de ficção científica) em julho de 1982. a palavra “ ciberespaço ”, cunhada por Gibson, foi usada pela primeira vez nesta história, em referência à “ consensual alucinação das massas” pelas redes de computadores.

“Burning Chrome” tells the story of two free-lance hackers - Automatic Jack, the narrator and a hardware specialist; and Bobby Quine, a software expert. Bobby becomes infatuated with a girl named Rikki and wants to become wealthy in order to impress her. Jack has acquired a powerful Russian “icebreaker” program that can penetrate corporate security systems. Bobby suggests that they use it to break into the system of a notorious and vicious criminal known as Chrome, who handles money transfers for organized crime, and Jack reluctantly agrees to help. The break-in is successful, and Jack and Bobby empty Chrome's bank accounts, but they discover afterward that Rikki had been working in a brothel with ties to Chrome. She uses her earnings to buy a set of cybernetic eye implants for herself and go to Hollywood; the news leaves both men devastated, as they have grown to love her, and Jack never sees her again.“ (wikipedia)

tarefa: ler e traduzir o texto para o português trocando ideias sobre visões de futuro vividas hoje.

material: texto: http://flawedart.net/courses/articles/Gibson_Burning_Chrome.pdf ou http://cla.calpoly.edu/~lcall/354/gibson.html

memória:

resumo do dia:

o phil apareceu no espaço e acabou que ficamos falando mais de outros assuntos. o resultou em um dever de casa maior do que os dias. :D

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#02] **segundo encontro: 06|jul|2015**

laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

segundo encontro: antiguidade cyberpunk (“the gernsback continuum” de william gibson)

descrição sem spoiler: é um conto de 1981 onde william gibson inaugura uma visão de futuro contrária às visões utópicas da ficção científica de até então. tarefa: ler/ouvir e traduzir o texto para o português com a dupla finalidade de [01] inaugurar o acervo autônomo do calango hacker clube e [02] inicair o laboratório trocando ideias sobre visões de futuro.

“During his assignment to photograph 1930s era futuristic architecture, Parker begins to realize a “continuum”, an alternative reality containing the possible future of the world represented by the architecture he is photographing – a future that could have been, but was not, thereby contrasting modernism to postmodern reality. Parker's glimpses of this fantastical utopian future, characterised by massive multi-lane highways, giant zeppelins and Aryan inhabitants become increasingly frequent and disturbing until, on the advice of a friend, he immerses himself deliberately in the grittiest “realities” of our world (such as pornography and news stories about crime and war) that are at odds with the idealised world of Gernsback and others. Slowly the images fade to insubstantiality, and the story ends with Parker able to ignore the sight of a nearly transparent flying wing. Parker realizes that he would rather live in a world characterized by pornography, crime, and random events than that of the Gernsback continuum.” (Wikipedia)

material: [01] texto: http://writing2.richmond.edu/jessid/eng216/gernsback.pdf [02] áudio: https://www.youtube.com/watch?v=du_k_V6SkbY curiosidade: o conto foi adaptado por tim leandro para a tv em 1993 em um curta-metragem chamado “tomorrow calling” (https://youtu.be/8QbXF5KydIw - não tem legendas em português)

memória:

[01] iniciando os trabalhos;

[02] phil e rita, nossa primeira visitante ilustre do dia, que é vocalista da banda “maria sabina”;

[03] preparando nosso primeiro café calango

[04] finalizando com phil segurando um exemplar do zine “ruídos em ruínas” e a também, não menos ilustre visitante, sandra (advogada hacker).

[05] ideias:

este primeiro conto de willian gibson traz um tema muito interessante para a ficção científica, a crítica à sua visão otimista. e este tema é mais do que atual para nós, pois devemos nos perguntar o quanto somos otimistas frente aos avanços tecnológicos. por exemplo, quando a internet nasceu, ela nos abriu um universo inteiro de possibilidades para a explorármos livre e abertamente. no entanto, hoje ela não tem mais essa abertura. será que a utopia do passado transformou-se em distopia no presente? e qual será seu futuro? ou ainda, todas as nossas máquinas cotidianas possuem sua obsolescência programada pelos seus fabricantes. devemos nos conformar dentro do chamado “realismo conformista”, ou ainda há tempo para fazermos algo? e por aí vai. mas o que fica para continuarmos nossa discussão é: qual a nossa postura diante o presente e o futuro que queremos?

}]: voltar ao índice HACKintenZ



[#01] primeiro encontro: 29|jun|2015

clube de leitura e laboratório de ideias: cyberpunks e a ética pirata

primeiro encontro: antiguidade cyberpunk (“the gernsback continuum” de william gibson)

descrição sem spoiler: é um conto de 1981 onde william gibson inaugura uma visão de futuro contrária às visões utópicas da ficção científica de até então. tarefa: ler/ouvir e traduzir o texto para o português com a dupla finalidade de [01] inaugurar o acervo autônomo do calango hacker clube e [02] inicair o laboratório trocando ideias sobre visões de futuro.

“During his assignment to photograph 1930s era futuristic architecture, Parker begins to realize a “continuum”, an alternative reality containing the possible future of the world represented by the architecture he is photographing – a future that could have been, but was not, thereby contrasting modernism to postmodern reality. Parker's glimpses of this fantastical utopian future, characterised by massive multi-lane highways, giant zeppelins and Aryan inhabitants become increasingly frequent and disturbing until, on the advice of a friend, he immerses himself deliberately in the grittiest “realities” of our world (such as pornography and news stories about crime and war) that are at odds with the idealised world of Gernsback and others. Slowly the images fade to insubstantiality, and the story ends with Parker able to ignore the sight of a nearly transparent flying wing. Parker realizes that he would rather live in a world characterized by pornography, crime, and random events than that of the Gernsback continuum.” (Wikipedia)

material: [01] texto: http://writing2.richmond.edu/jessid/eng216/gernsback.pdf [02] áudio: https://www.youtube.com/watch?v=du_k_V6SkbY

curiosidade: o conto foi adaptado por tim leandro para a tv em 1993 em um curta-metragem chamado “tomorrow calling” (https://youtu.be/8QbXF5KydIw - não tem legendas em português)

memória:

[01] lendo o original em inglês… (http://writing2.richmond.edu/jessid/eng216/gernsback.pdf)

​ [02] ouvindo o áudio-book em inglês e tomando notas em português… (https://www.youtube.com/watch?v=du_k_V6SkbY)

2015-06-29_15.43.48.jpg

​ [03] assistindo a adaptação do conto para a tv… (https://youtu.be/8QbXF5KydIw)

2015-06-29_15.40.32.jpg

​ [04] rascunhando uma tradução para nosso acervo autônomo chc…

unnamed2.jpg

​ [05] sugestão de dever-de-casa para quem se interessar:
que tal a gente ir trocando ideias sobre a tradução até a próxima segunda-feira?
a gente ainda desenferruja os nossos conhecimentos em lingua inglesa.
pois conversando com o faísca a gente chegou a essa ideia de ampliar o horizonte de palavras em inglês para além do nosso vocabulário técnico. claro, isso para quem tem essa ferrugem.
ah! o phil diz que nos ajuda! :D

}]: voltar ao índice HACKintenZ


Você poderia deixar um comentário se estivesse logado.
temas/cyberpunks/ciclo_01.txt · Última modificação: 2016/08/30 17:53 por leopimentel